Sustentabilidade

30 ago, 2013

A Triple Arquitetura sempre esteve preocupada com as questões da sustentabilidade e, por meio de sua arquiteta titular Anelise Cancelli, esteve presente em grupos de estudos sobre o tema em diversas ocasiões. Junto à ASBEA/RS, na condição de coordenadora do Grupo de Estudos para o tema, a Arq. Anelise desenvolveu o  roteiro básico abaixo
para aplicação de estratégias de projeto sustentáveis na arquitetura.


ROTEIRO BÁSICO DE SUSTENTABILIDADE

ESTRATÉGIAS DE PROJETO :

A FLEXIBILIDADE E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: não devemos criar modelos rígidos de ocupação, tendo em vista que os núcleos familiares seguem estruturas diversas ao longo do tempo; recursos de sistemas estruturais eficientes vão colaborar para evitar as mudanças construtivas pós ocupação.

A EFICIÊNCIA : projeto deve procurar otimizar a quantidade de energia usada para o funcionamento da moradia ou atividade de trabalho através de técnicas de conservação e princípios inovadores de projeto, tendo em conta a operação e a manutenção.

A QUALIDADE NO AMBIENTE CONSTRUIDO:deverá contemplar o aquecimento solar passivo, o isolamento térmico, tirar partido da ventilação natural; explorar o uso de sistema de aquecimento solar da água e fotovoltaicos; incentivar o uso de materiais de construção locais e aqueles que requerem o mínimo de processamento, adotar produtos não tóxicos e analisar a vida útil do material: possibilidade de reciclagem e potencial de ocupação flexível.

PROJETO

As variáveis são inúmeras para cada PROJETO, considerando suas necessidades e características específicas:

ANÁLISE DO SÍTIO: seleção do local observando a densidade urbana e a conexão com a comunidade.

Estudo da influência da implantação equacionando por exemplo acesso ao sol, a influência dos ventos, o isolamento de ruídos, a segurança; A redução do impacto ambiental: redução das emissões e aumento das áreas verdes

Especial atenção para proteção e recuperação das espécies locais, controle de enxurradas, redução do efeito ilha e redução da poluição luminosa.

IMPACTO DOS MATERIAIS DA EDIFICAÇÃO: análise: da energia necessária para produzir o material; da emissão de CO2 resultante da fabricação do material; do impacto ambiental resultante de sua extração; da toxicidade; do transporte durante sua fabricação e entrega; do grau de poluição resultante do material no final de sua vida útil.

DECISÕES DE PROJETO: contribuição do material: na redução do impacto ambiental da edificação, por ex na insolação; na flexibilidade do projeto em acomodar mudanças ao longo do tempo; na reutilização em caso de demolição (vida útil do material); ênfase especial a edificações recicladas.

ISOLAMENTO TÉRMICO: análise ambiental dos materiais isolantes, estudo do desempenho das janelas e portas no que se refere a perda de energia. DECISÕES DE PROJETO: explorar recursos como clarabóias e tubos de iluminação para iluminar espaços internos; concentrar os espaços de maior permanência junto às melhores insolações; usar sombreamento no verão; explorar venezianas externas em climas quentes ( ou telas solares, que retêm até 90% do calor); estudar os pavimentos refletivos externos que irão devolver a luz para o interior; captar a vista; usar janelas com vergas menores para levar a luz até o fundo da sala.

VENTILAÇÃO: desempenho na qualidade do ar interno; explorar os gradientes de pressão através dos ventos e do efeito chaminé; explorar a ação do vento com elementos especiais como sacadas; usar a vegetação como barreira de proteção contra os ventos;

O ar interno: projetar as zonas úmidas da casa de modo a serem isoladas (vestíbulo e área de varal): usar exaustores para o fogão: os banheiros devem ter a renovação do ar muito efeiciente; os acabamentos das paredes devem ser capazes de absorver alguma umidade (dar preferência às tintas orgânicas à base de água).

CONDICIONAMENTO PASSIVO DO AR EXTERNO: uso de quebra-ventos, barreiras de vegetação contra poeira e ruídos, resfriadores subterrâneos, barreiras de vegetação nas paredes com espécies decíduas.

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR EXTERNO

Controle individual de temperatura: melhor produtividade do ambiente.

Qualidade do ambiente interno: adotar medidas básicas e fundamentais como evitar o amianto e proteger a saúde evitando vapores de solventes orgânicos, conservantes de madeira e formaldeído: escolher para o jardim plantas que não causem alergias; ventilar os ambientes; verificar o funcionamento de lareiras, aquecedores e exaustores periodicamente. Trazer maior satisfação aos usuários (explorar visuais interessantes, criar cenários) A acessibilidade deverá ser explorada o máximo possível para garantir o uso da moradia.

ELIMINAÇÃO DEBARREIRAS ARQUITETÔNICAS: eliminar as barreiras arquitetônicas em todos os percursos a serem desenvolvidos pelos pedestres, criando não só condições para os deficientes motores como otimizando os espaços para todos; especificação de revestimentos (pisos, tintas; argamassas, madeiras sustentáveis, papéis de parede feitos de papel,conservantes); plantas podem ser utilizadas para limpar o ambiente interno.

PROJETO SOLAR PASSIVO : sistemas de ganho direto onde a edificação armazena energia solar durante o dia; sistemas de ganho indireto, com paredes ou espaços de armazenamento como estufas solares; o projeto da edificação visa permitir a entrada de sol no inverno e a criação dos sombreamentos necessários no verão;

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: otimização do desempenho no uso de energia; iluminação natural; projetar a edificação explorando ao máximo a luz natural.Com a diminuição da luz artificial estaremos evitando o aumento do consumo de energia e o aumento da carga térmica interna. Devem ser priorizados os espaços de maior permanência como salas e dormitórios (e escritórios se houver) em detrimento dos espaços de utilização transitória como banheiros e cozinhas.

DECISÕES DE PROJETO: explorar recursos como clarabóias e tubos de iluminação para iluminar espaços internos;

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL:projetar a iluminação artificial com níveis adequados de iluminância para as atividades a serem realizadas e criando acionamentos múltiplos. Criar mecanismos de controle do consumo energético atrvés da adoção de dimers e sistemas inteligentes, usando reatores e lâmpadas eficientes, sensores de presença em áreas de circulação e células fotoelétricas em áreas externas;

EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS:devem ser utilizados equipamentos com selo de eficiência energética;

MEDIDAS PARA REDUÇÃO DE CARGAS: geladeiras e congeladores que usam CFCs e HCFCs devem ser evitados . Modelos com hidrocarbono que usem butano ou propano não destroem a camada de ozônio nem produzem gases-estufa;

MAQUINAS DE LAVAR devem usar água quente e não aquecer a própria

água, e as de abertura frontal gastam de 50 a 70% menos água;

SECADORAS A GAS gastam 1/3 do seu equivalente elétrico

TVS RADIOS AP DE SOM, MICROONDAS E COMPUTADORES devem ser adquiridos avaliando seu consumo;

USO DE SISTEMAS SOLARES DE AQUECIMENTO DE ÁGUA : energia limpa e gratuita do sol ;

USO DE ENERGIA RENOVÁVEL: Fotovoltaica; usar como energia direta e de armazenamento; sua importância e uso no mundo inteiro comprovam a eficiência.

USO INTELIGENTE DA ÁGUA: tecnologias de reuso;: reduzir o consumo e reciclar; ex: coleta da água da chuva: reaproveitamento direto com coleta e irrigação com águas servidas: irrigação eficiente ; reciclagem das águas servidas e de águas fecais; drenar a água da chuva com o objetivo de reduzir a carga nas estações de tratamento, evitar poluição, controlar alagamentos, devolver a água ao subsolo; fazer testes de percolação.

TELHADO VERDE: arrefecimento da vazão da chuva e criação de uma superfície verde com o objetivo de devolver ao lote suas condições naturais.

IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRAS:

A implantação do canteiro deverá levar em conta os seguintes aspectos principais:

INSTALAÇÕES: além das regulamentações básicas determinadas pelo Ministério do Trabalho devemos proporcionar aos integrantes das equipes de execução os seguintes itens:

-ambiente de trabalho organizado e limpo

-locais determinados de armazenagem e coleta de resíduos

-local de lazer e descanso agradável

-instalações de banho e vestiários bem ventilados

TREINAMENTO E FORMAÇÃO: otimizar estas ações em grupos

CONTROLE DE QUALIDADE : estimular na equipe o objetivo conjunto da obra sustentável.

GESTÃO DE RESÍDUOS NA OBRA: estimular a coleta de resíduos destinados à reciclagem, observando a classificação.

 

ATITUDE

PROMOVER COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS: divulgar exemplos de comunidades que já utilizam os princípios de planejamento sustentável, como por exemplo Curitiba e Chicago.

ESTIMULAR OCOMPORTAMENTO RESPONSÁVEL AMBIENTALMENTE : educação ambiental, consumo consciente e preservação da cultura. Divulgar a pegada ecológica ( a pegada ecológica mede o quanto das reservas naturais estão sendo usadas exclusivamente para produzir todos os recursos que determinada pessoa consome para a absorção dos dejetos que ela produz).